Assinatura RSS

Arquivo da tag: Paris

Comendo em Paris!

Publicado em

Oi gente!

Tenho aparecido pouco por aqui, né? Me desculpem, mas estamos reformando a casa e hoje, por exemplo, estou escrevendo enquanto espero entregarem o piso! Imagina a bagunça!

Enfim, sobre a viagem:

Em Paris come-se muuuuito bem! Todos os restaurantes e tudo o que comemos estava maravilhoso! É um pouco caro comer sempre em restaurantes (meu marido não abria mão de comer comida), mas há outras opções como os lanches (baguettes) das padarias.
Uma dica para economizar com bebidas, já que lá um refrigerante sai quase DOZE REAIS (!!!) é pedir “une carrafe d’eau” (lê-se “une carráfe dô”) ou, em inglês, “tap water” = água da torneira. ELES NÃO COBRAM (mas ninguém no restaurante vai te avisar que você tem essa opção! Tipo, se você pedir uma água eles trarão a de garrafa e, claro, a mais cara) ;)
Ah, a água de garrafa lá é bem ruim =P  Tem um gostinho meio salgado… A água de torneira é melhor.

Assim você não morre de desidratação e nem fica pobre! Olha que dica boa! haha

Outra boa dica é pedir algum prato do menu du jour (fala-se mení du jurrrr = especiais do dia). Todo restaurante tem e geralmente sai mais em conta. Eles oferecem sugestões de entrada, prato principal e sobremesa, daí geralmente tem um preço mais amigo se você escolher só 2 pratos (entrada+prato principal OU prato principal+sobremesa). Se você estiver acompanhado é legal cada um pedir um, pois acho que ninguém consegue comer entrada+prato+sobremesa! Daí se você pedir entrada+prato e a outra pessoa pedir prato+sobremesa vocês podem dividir. AO MESMO TEMPO ROMÂNTICO E ECONÔMICO!! HAHAHA

Não sei se deu pra entender o espírito dessa dica, mas foi o melhor que consegui explicar! haha
O menu du jour sai, em média, de €10 a €15 por pessoa, o que vai dar entre 20 e 30 reais. Não é baratíssimo mas POXA, não vai ser mão de vaca logo em Paris, né? Deixa pra economizar quando voltar! haha

Vamos às fotos (algumas não estão muito boas porque tirei com o celular) mas antes, dá o play na música:

Croque Monsieur - tipo um misto quente com um creme de queijo por cima... très bon!

Croque Madame - um croque monsieur com um ovo em cima (não sei porque esse é o madame, já que acho que agrada mais aos homens que às mulheres...)

Quiche de legumes

Cordeiro

Pato com cenouras e ervilhas

Steak au poivre

Queijo em forma de torre eiffel! Não é muito fofinho?!

Sorvete delicioso da Amorino!! Outro muito bom é da Berthillon!! O primeiro eu amei porque eles modelam a massa em formato de flor. O segundo é da família Berthillon, feito há anos da mesma maneira, bem natural. Ambos DELICIOSOS!

Les Deux Moulins - restaurante do filme da Amélie Poulain <3 (é legal pra tirar foto mas é bem caro e o cardápio não me apeteceu... acabamos indo em outro restaurante!)

Olha essas tortas!!!! :,-) Que emoção

Crème brûlée - quidiliçaaa!!! Amei! E claro, fiz igual à Amélie Poulain e quebrei a casquinha com a colher *-*

Os famosos macarons da famosa casa de chá Ladurée. Dizem que eram os favoritos de Maria Antonieta. Na minha opinião são muito doces mas né, TEM QUE EXPERIMENTAR!

Religieuse - duas carolinas (uma maior embaixo) recheadas com cremes de sabores variados. O formato lembra uma igreja, por isso o nome. Esse aí era de violeta. Gostoso, mas achei muito doce.

Aqui vão algumas dicas de nomes de comidas, como eu fiz daquela vez com os nomes em espanhol, pra você não ficar tão perdido nos restaurantes, já que às vezes a pessoa não sabe bem explicar o nome do prato.

PEQUENO DICIONÁRIO NATALYNO DE COMIDAS EM FRANCÊS:

Agneau: cordeiro
Poisson: Peixe
Canard: Pato
Poulet: Frango/Galinha
Steak: Filé
Viande: carne
Carrotes: Cenoura
Pommes de terre: batata

Se quiserem mais dicas, mandem por email ou deixem as perguntas nos comentários porque o que eu souber eu respondo pra vocês ;)

Bjos!

Dicas de Paris!

Publicado em

Sim, eu estava em Paris!! *TODAS CHORAM DE EMOÇÃO*

Versailles

Castelo de Versailles - Um dos lugares mais lindos do mundo (pra mim)

Fomos viajar e passamos (eu e meu marido) 3 semanas e meia na Europa, passando pela França, Alemanha e Suíça. Tudo devidamente anotado e fotografado para compartilhar com vocês!
Nesse primeiro post, se me permitem, não vou falar de comida. Quero falar sobre algumas curiosidades e dicas pra quem nunca visitou a cidade luz mas tem o desejo de fazê-lo (recomendo fortemente!!).

1ª dica – Programando seu roteiro:
Pesquise sobre os lugares que você acha mais interessantes e baseie seu roteiro nisso. Por exemplo, se quer ver todos os museus ou se prefere as atividades ao ar livre. Planeje o roteiro de acordo com o tempo que vai ficar lá. Se você puder, fique bastante tempo. Em 4 dias você consegue ver bastante coisa, se correr, mas não vai sentir que aproveitou muito a cidade. Em 7 dias você consegue ver os pontos principais e relaxar um pouco nos lugares mais bonitos (como o jardim de Versailles ou qualquer jardim dos muitos que há por lá). Acho que nem em um ano inteiro dá pra conhecer tudo. É uma cidade maravilhosa. Algumas dicas de sites onde você pode ter maiores informações:

Conexão Paris – Um blog que me ajudou muito a planejar a viagem. Tem ótimas dicas.
Vamos para Paris – Um blog dividido por interesses (compras, pontos turísticos, etc) bem objetivo.

Uma amiga que encontramos lá tinha um livrinho que também foi de grande ajuda. Ela carregava para todo lugar e acho que é bem interessante para você se programar. É esse livro aqui:

2ª dica – Arrumando as malas:
Pesquise como vai estar o tempo na região pra qual você for viajar. Nós perguntamos para algumas pessoas que moraram/moram lá para não levarmos muitas coisa (porque, claro, eu queria trazer as malas cheias de novidades e não de roupas velhas). Como chegaríamos no começo do outono nos disseram para levar roupas normais (nem muito frescas nem muito quentes) e um moletom ou coisa assim. No fim fez mais calor do que esperávamos e teria sido bom levar um chapéu ou boné, pois fez muito sol e a gente anda muito (calculamos que percorremos mais ou menos 10km por dia a pé!). Também é interessante levar um casaco mais quente, pois também fez frio algumas noites.
Paris é mais quente mas se você assim como a gente estiver à procura de neve e for subir alguma montanha, leve apenas um casaco bem quente, daqueles de neve (de preferência a prova d’água).

3ª dica – Onde ficar:

Nossa viagem foi meio de última hora pois aproveitamos que meu marido precisava ir à Alemanha (a empresa onde ele trabalha tem sua sede lá) e acabei indo também. Ele marcou a passagem para uma semana antes do que precisava e fomos para Paris. Os hotéis em Paris são bem caros, então, se quiser economizar, alugue um apartamento.

Alugar um apartamento foi bem tranquilo. Fizemos isso através do site CentreParis. Ficamos em um apartamento muito gostoso, bem localizado (a nosso ver) e confortável. Era um pouco longe do centro mais movimentado de Paris, no distrito (arrondisement) 17, “des Batignolles-Monceau” (perto do cemitério dos Batignolles). Achamos interessante porque também era um bairro movimentado (alguns mercadinhos ficavam abertos até 2h da manhã) porém mais tranquilo que o centro propriamente dito. O centro é nos distritos 2 e 3. De qualquer forma depende do seu estilo de viajar pois nós achamos ótimo conhecer lugares não tão frequentados por turistas. Além do mais, Paris inteira é deslumbrante.

Nosso apartamento ficava na Rue Pouchet e era bem bonitinho. O metrô era próximo (uns 5 minutos caminhando) e através dele você vai pra qualquer lugar de Paris. O melhor foi o preço: 70 euros por dia. Bem mais barato que um hotel. Se você se planejar com antecedência pode encontrar apartamentos mais próximos do centro (mas qualquer lugar lá é lindo).

 4ª dica – Como se locomover:
Paris é totalmente adaptada para receber turistas. É impressionante. Você pode ir para qualquer lugar usando apenas o transporte público. Prepare-se para andar, andar, andar e andar. Anda-se demais. No fim do dia estávamos só o pó! Haha

Assim que possível pegue um mapa do metrô e ônibus (no aeroporto tem, mas para garantir você pode baixar da internet aqui).
Meu marido baixou um aplicativo para iPhone que foi salvador de vidas durante nossa estadia. Você digita onde está e para onde quer ir e ele, offline, te diz como fazer (assim que ele me disser o nome do app eu atualizo o post). É importante porque o metrô tem muitas conexões! E dentro do metrô você anda infinitamente pra cruzar de uma linha para outra.

Sério, se você tem dificuldades de locomoção você não deve fazer os trajetos de metrô. Muitos não têm elevador e nem ao menos escada rolante. São muitas escadas e mesmo para quem tem carrinho de bebê não é aconselhável.

MUITO IMPORTANTE: Não jogue fora seu bilhete do metrô antes de sair da estação. Um dia meu marido jogou o bilhete fora antes de fazermos uma conexão e fomos parados por alguns fiscais que nos multaram (!!!) em 25 euros por ele não estar com o bilhete. Se ele não tivesse outro bilhete válido na carteira a multa seria de 50 euros.
Durante nossa estadia vimos muitas pessoas pularem a catraca ou aproveitarem que alguém está passando e ir junto. Isso porque não tem seguranças no metrô (!!) nem fiscalização. Daí de vez em quando eles colocam esses fiscais pra multarem as pessoas que poderiam ter entrado sem pagar. Acontece que eu só vi turistas pagando a multa e não por má fé, mas porque simplesmente acharam que COMO EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO, o fato de você estar lá dentro significa que já pagou, mas enfim… GUARDE SEU BILHETE.

5ª dica – Como se comunicar:
Todo mundo lá fala inglês. Sério, em qualquer estabelecimento comercial você encontra alguém que fale ou que, pelo menos, entenda. Em alguns restaurantes há também o cardápio em português e outras várias línguas. Não sei se mencionei mas o que mais encontramos foram turistas brasileiros e japoneses/chineses.
Nos museus os audioguides (tipo um radinho que vai explicando sobre as obras, como um guia mesmo) também possuem versões em português, na maioria dos casos. Usamos o audioguide sempre em inglês pois o em português é de Portugal e acreditem, é mais difícil de entender do que o espanhol. (Me lembra sempre esse vídeo do Comédia MTV)

Acredito que para uma viagem como a nossa, sem guia, você não consiga aproveitar se não falar inglês ou francês. Se este for o seu caso acho que é melhor ir com excursões.

No aeroporto vimos uma mulher que não falava inglês passar pela alfândega (e além de não falar inglês ela era bem mal educada) e quase que o policial perde a paciência com ela. Ela não entendia o que o policial falava e meu marido teve que ajudar a traduzir porque senão, acho que ela não conseguiria entrar no país.

Antes de ir eu aprendi algumas frases de “sobrevivência”(haha) para poder me comunicar melhor. Sugiro que você também gaste um tempinho com isso pois foi bem importante. Fora isso, é tão EMOCIONANTE FALAR FRANCÊS!! Você não vai querer dizer BONJOUR ou BONSOIR pras pessoas?? E agradecer dizendo MERCÌ?!?!?! Assim você se sente realmente na França!  hahaha

Tem alguns aplicativos bons para aprender francês no iPhone e iPad, como o AccelaStudy. Se você não tem iPhone/iPad pode baixar um programa que, na minha opinião, é o mais eficaz e objetivo. Você pode baixar no site BYKI (abreviação de Before You Know It) e tem de vários idiomas. O único problema é que é do inglês para o francês, logo, você precisa conhecer o básico do inglês para fazer o curso. Basta se inscrever para fazer o download dos cursos.

Bom, vou ficando por aqui porque esse post já está muito longo! Logo mais eu continuo com mais dicas ;)

Bjos!